domingo, 19 de agosto de 2018

Santa Cruz vence o Operário e leva vantagem para jogo no Paraná


Foi no sufoco e com apenas um gol de vantagem em cima do Operário-PR. A vitória do Santa Cruz neste domingo (19), diante de um público de 49.456 pagantes, deixa o Tricolor na frente na corrida por uma vaga na Série B de 2019. O time joga agora por um empate para festejar o acesso e avabçar no Campeonato Brasileiro da Série B. 

O próximo confronto acontece no Estádio Germano Krüger, em Ponta Grossa, no Paraná, no próximo domingo (26). Se o Santa vencer ou empatar, passa à Série B. Se perder por um gol de diferença, a decisão vai para os pênaltis. 

O JOGO – O clima foi especial. Diante de quase 50 mil pessoas, a Cobra Coral fez valer o mando de campo e largou na frente por uma vaga na Série B de 2019. Com gol marcado ainda no primeiro tempo, o time coral venceu por 1x0 e agora joga por um empate no próximo fim de semana, na cidade de Ponta Grossa.
Como era esperado, o Santa Cruz foi senhor das ações no início do jogo. Com o Operário apostando num time mais precavido, o Mais Querido tratou de utilizar a movimentação principalmente do trio de ataque para incomodar os paranaenses. As oportunidades começaram a surgir principalmente dos pés de Jailson, que teve uma grande atuação nas costas do lateral-direito Léo.
Logo nos primeiros 20 minutos, o volante Índio sentiu a coxa esquerda e foi substituído por Erick. Sem oportunidades de contra-ataque, restou ao Fantasma o bloqueio das investidas corais, abusando das faltas cometidas. Tentando dar trabalho à defesa adversária, o Santa Cruz passou a arriscar em chutes fora de área, principalmente na bola parada.
O panorama foi mudado na volta do intervalo. Saindo um pouco mais para o jogo, o Operário passou a exigir do goleiro Ricardo Ernesto. O treinador coral, na tentativa de preencher bem o meio-campo, mexeu em duas peças e criou um fator novo com as entradas de Charles e Maílton, deslocando Jailson para a armação de jogadas. 
Com o fim se aproximando, as equipes passaram a arriscar menos e o jogo foi ficando mais lento. Mesmo no prejuízo, o Operário se mostrava satisfeito com a vantagem mínima construída pelo Tricolor. E desta maneira, com apenas um gol no marcador, o juiz encerrou o jogo no José do Rego Maciel.
Do site da Rádio Jornal e Coral Net
Foto: Rodrigo Baltar

Sport perde para o Santos na Vila Belmiro



O Sport perdeu para Santos, por 3×0, na Vila Belmiro, pela 19ª rodada do Campeonato Brasileiro. O duelo marcou as reestreias do técnico Eduardo Baptista e do atacante Hernane pelo Leão. Aos 13 do segundo tempo, o atacante Rogério foi expulso de forma bastante contestável.

Com a derrota, os rubro-negros caíram momentaneamente para a 15ª posição, com 20 pontos. Na próxima quarta, o adversário será o América/MG, às 21h, na Ilha do Retiro.

O JOGO

Os primeiros momentos de bola rolando na Vila Belmiro caíram como uma ducha de água fria para os rubro-negros. Com apenas um minuto de jogo, o Leão sofreu um gol do atacante Sasha. O time naturalmente sentiu o “baque” por um tempo curto, mas rapidamente equilibrou as ações na partida.

Atuando de forma mais compacta, a equipe de Eduardo Baptista conseguia trocar passes, mas enfrentava dificuldades para criar chances de gol. A melhor oportunidade foi com Hernane, num cruzamento de Rogério.  Por outro lado, Magrão precisou trabalhar em dois chutes dos donos da casa.

No segundo tempo, com Fellipe Bastos na vaga de Deivid, o Leão começou com tudo. Em dez minutos, teve dois lances perigosos com Rogério e uma cabeçada venenosa do Ferreira. Porém, aos 13, o próprio Rogério, que vinha se destacando, foi expulso de forma contestável pelo árbitro, quando tomou o segundo amarelo ao fazer uma falta.

do site oficial do Sport

Foto: Pedro Ernesto Guerra Azevedo/Santos FC

Náutico perde por 3x1 para o Bragantino na Série C



A invencibilidade de dez jogos do Náutico na Série C terminou no momento mais crítico da competição. A equipe foi derrotada por 3x1 para o Bragantino, no Nabi Abi Chedid, pelas quartas de final, e deixou a missão de retornar à Série B ainda mais complicada. Poderia ser pior, se Ortigoza não tivesse marcado o tento de honra. O jogo decisivo será no próximo domingo (26), Arena de Pernambuco. Mais de 20 mil ingressos já foram vendidos e toda a ajuda será fundamental para o Timbu não encerrar a temporada lamentando a permanência na terceira divisão. Uma vitória pernambucana por dois gols de diferença levará o duelo para as penalidades. Mais do que isso, classificação assegurada. Menos, a vaga será dos paulistas.

O jogo começou lá e cá. Erro lá, erro cá. No início, foi possível creditar a falta de ação ofensiva ao modo cauteloso dos dois times. Depois, essa desculpa não funcionou. Insistindo em ligação direta e com pouca criatividade, Bragantino e Náutico fizeram um confronto marcado pelo excesso de faltas.

Matheus Peixoto era o mais perigoso do Bragantino. O atacante foi o responsável por amarelar Camutanga e, minutos depois, levou a melhor novamente diante do defensor. Desta vez, não foi parado com falta e teve espaço para deixar Vitinho de frente para o gol. Com um chute seco no canto, o camisa 10 abriu o placar no Nabi Abi Chedid.

Mais um gol sairia antes do intervalo. Poderia ser do Náutico, mas os visitantes não souberam explorar o que fizeram de melhor na primeira fase, com a transição rápida e as jogadas pelas laterais. Em compensação, o Bragantino foi eficaz em sua arma nada secreta. O técnico Márcio Goiano avisou antes da partida: os paulistas eram muito fortes na bola aérea. Recado dado, mas que de nada adiantou. Chorão cobrou falta e Marquinhos cabeceou, fazendo 2x0.

Mal começou o segundo tempo e o Náutico novamente foi vítima da bola parada. Chorão, sempre ele, cobrou escanteio na medida e Fabiano cabeceou forte, fuzilando o gol de Bruno. Primeira vez que o time de Márcio Goiano sofria três gols no mesmo jogo.

Além da qualidade pelo alto, o Bragantino fez outra coisa que sabe de melhor: se fechar na defesa. Trouxe o Náutico para o seu campo e apostou nos contra-ataques para ampliar a já larga vantagem.

O Timbu, com Wallace e Lelê, se lançou ao ataque para diminuir o prejuízo. Na base do abafa, os alvirrubros trouxeram esperança para a torcida após Ortigoza, no bate-rebate do escanteio, fazer seu papel de artilheiro e balançar as redes. A reação, porém, parou por aí. Depois de dois meses e dez jogos sem perder, os pernambucanos tropeçaram. O futuro do clube será definido agora na Arena de Pernambuco.


Folha PE