segunda-feira, 6 de junho de 2016

Bergson adaptado à nova função no ataque

Folha PE
Quando perdeu o atacante Rafael Coelho, por lesão, o técnico Alexandre Gallo decidiu testar uma nova possibilidade no ataque. Surgia no Náutico a ideia do “falso 9”, posição essa que seria ocupada pelo atacante Bergson. O primeiro teste foi no jogo passado, contra o Joinville, na Arena Pernambuco. E o saldo foi positivo, com a vitória do Timbu por 2x0. “Já joguei aberto e mais atrás, então não tive dificuldade. Toda função que o Gallo escolher, temos que procurar nos adaptar o mais rápido possível. Jogo tanto na beirada como por dentro”, revelou o atacante.
Ainda voltando ao condicionamento físico ideal, Bergson imagina que poderá render ainda mais nos próximos jogos. “Foi a primeira partida que atuei os 90 minutos depois da lesão e acho que evolui fisicamente. Ainda não acho que estou 100%, mas a cada treino que eu tiver oportunidade de evoluir fisicamente e tecnicamente, eu tentarei. Busco evolução a cada dia”, frisou.
Nesta terça (7), o Náutico encara o Paysandu, no Curuzu, pela sétima rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. O Papão é o 16º colocado do torneio, com cinco pontos. “Esperamos um jogo difícil. O adversário é bem qualificado jogando em casa. Sabemos da pressão que estamos sofrendo porque precisamos também conquistar os resultados fora. Estamos conscientes do nosso trabalho e vamos em busca da vitória”, completou.
Treino
No treino desta manhã, no CT Wilson Campos, o zagueiro Eduardo trabalhou normalmente com o grupo e está confirmado para o jogo. O defensor era dúvida para o confronto após ter sido substituído no duelo passado, contra o Joinville, por conta de uma pancada na coxa. Já Ronaldo Alves segue na fase de transição e ainda não deve retornar ao time.

STJD denuncia Flamengo e Palmeiras por briga no Mané Garrincha

(UOL) - O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) denunciou Flamengo e Palmeiras pela briga promovida por torcedores das duas equipes no último domingo, durante a partida dos dois clubes pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro. O procurador-geral da entidade, Paulo Schmitt, pediu imagens do confronto envolvendo membros das organizadas das duas equipes, que brigaram nos corredores do Estádio Mané Garrincha, em Brasília, palco do duelo ocorrido no último domingo.
De acordo com o cronograma da entidade, a denúncia será apresentada até a próxima quarta-feira. Paulo Schmitt crê na responsabilidade das equipes pelo embate dos torcedores e enquadrou o caso nos artigos 211 e 213 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD). Além da responsabilidade dos dois clubes, o procurador-geral requer a interdição do Mané Garrincha (artigo 64), que seria utilizado pelo Flamengo como um dos palcos para o Brasileiro deste ano.
O artigo 211 – 'deixar de manter o local que tenha indicado para realização do evento com infraestrutura necessária a assegurar plena garantia e segurança para sua realização' – prevê uma pena de R$ 100 a R$ 100 mil; em casos mais graves, a interdição do local também.
Já o 213 – 'deixar de tomar providências capazes de prevenir e reprimir desordens' - também se baseia em uma multa de R$ 100 a R$ 100 mil, além da possibilidade da perda de um a dez mandos de campo.

Irmão de Yago Pikachu tenta assaltar PM e leva 3 tiros


Um sargento da Polícia Militar (PM) reagiu e escapou de um assalto, em Belém, ontem à tarde. Durante a ação, o PM baleou um dos assaltantes. O nome do criminoso ferido é Pedro Pereira Lisboa, 22 anos. Ele levou 3 tiros do PM e, ao ser detido, disse que era irmão do jogador Yago Pikachu, do Vasco da Gama, e filho do sargento Carlos Lisboa, também da PM.
Para esclarecer o caso, o DIÁRIO tentou falar com Pikachu - cujo nome é Yago Lisboa - e com o pai do jogador, o sargento Lisboa. A assessoria de imprensa do craque disse que ele não falaria sobre o assunto. Mas o pai do jogador concedeu uma entrevista exclusiva ao DIÁRIO, por telefone, explicando toda a situação:
“Pikachu não tem nada a ver com isso”
O DIÁRIO conversou, por telefone, com o pai de Pikachu, o sargento Carlos Lisboa, da PM, para esclarecer o caso. Confira a seguir:
DIÁRIO: O senhor é pai de Pedro Lisboa, o rapaz que tentou assaltar um PM? Lisboa: Não sou o pai dele.
DIÁRIO: Mas seu nome aparece como pai, em todos os documentos de Pedro. Lisboa: É que, no papel, eu sou pai. Mas, na prática, não.
DIÁRIO: Como assim? Lisboa: Nos anos 1990, eu tive um caso com a mãe desse rapaz. Na época, ele tinha uns 3 anos, mas não tinha registro, não estudava. Eu quis ajudar e resolvi registrar a criança.
DIÁRIO: O senhor sabia que ele tinha envolvimento com crimes?
Lisboa: Não. Eu me afastei da mãe dele há muito tempo. Hoje, só quero saber da minha família, minha mulher e meus 2 filhos, Pikachu e a irmã dele.
DIÁRIO: Por que o senhor acha que Pedro citou o senhor e Pikachu logo após ser baleado pela polícia? Lisboa: Acho que ele queria usar o meu nome, que sou sargento da PM, e o de Pikachu para se livrar da PM.
DIÁRIO: O senhor pensa em ajudar Pedro?
Lisboa: Se ele escolheu esse caminho do crime, é problema dele. Eu só quero cuidar da minha família. Pikachu não tem nada a ver com isso tudo.
A OCORRÊNCIA
A tentativa de assalto aconteceu por volta das 13h30, quando o PM - que não quis se identificar - estava em um lava-jato, no bairro da Sacramenta. “Foi quando dois jovens se aproximaram, numa moto, e anunciaram o assalto”, disse o policial. “Eles queriam que eu entregasse meu cordão de ouro”. Segundo o PM, um dos criminosos estava armado.
“De repente, uma arma já estava apontada para a minha cabeça. A única reação que tive foi de me defender”, lembrou o sargento. O também sargento Balbino, do 1° Batalhão da PM fez parte da ação policial realizada logo após o episódio. Balbino disse que, quando sua equipe chegou ao local, Pedro Lisboa já estava baleado. “Ele foi levado ao Hospital Metropolitano de Ananindeua”.
Balbino acionou uma ambulância do Samu, que socorreu o assaltante. A arma que Pedro portava - um revólver 38 - foi apreendida e levada à Seccional da Sacramenta, onde o caso será investigado. De acordo com o Boletim de Ocorrência, Pedro Lisboa é foragido do Sistema Penal e responde por crimes de latrocínio, homicídio e roubo. Até o fechamento desta edição, a assessoria do hospital não havia informado o estado de saúde dele.
Diário do Pará

Grupo chinês Suning compra quase 70% da Inter de Milão

Folhapress
O grupo chinês Suning anunciou nesta segunda-feira (6) a compra de 70% do clube italiano de futebol Inter de Milão por 270 milhões de euros. A operação é a mais recente de uma série de grandes investimentos das empresas chinesas no futebol europeu, estimuladas pelo presidente chinês Xi Jinping, fã do esporte.
A participação do empresário indonésio Erick Thohir, que havia comprado 70% do clube há três anos, será reduzida agora a "por volta de 30%", anunciou a Suning. O grupo de distribuição de eletrônica e eletrodomésticos deseja virar um "apoio inamovível para que a Inter de Milão recupere seu esplendor", afirmou o presidente do grupo, Zhang Jindong. Suning "proporcionará fundos" a Inter de Milão, que tem 18 títulos do campeonato italiano e três Ligas dos Campeões, para "comprar novos talentos", anunciou a empresa.